quarta-feira, 9 de março de 2011

LIÇÃO 10 – A DESTRUIÇÃO DO MEIO AMBIENTE


Comentaristas: Niedja de Mello

Introdução

Daremos nesta lição um assunto já iniciado na aula anterior, na lição passada vimos que a multiplicação da ciência teve seus lados positivos com o desenvolvimento de vários ramos da ciência que beneficiam a humanidade, tal como a medicina.

Mas por outro lado essa mesma ciência que produz desenvolvimento e novas tecnologias traz uma serie de desvantagens que se traduzem em desastre e destruição; isto em vários aspectos, espirituais e materiais.

Nesta lição trataremos especificamente o aspecto material, veremos como o homem tem destruído o meio em que vive apesar do grande desenvolvimento tecnológico que existe hoje. Deus ao formar a terra entregou tudo ao homem para que este cuidasse e guardasse o jardim.
E tomou o SENHOR Deus o homem e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar. (Gn2.15)

O homem deveria dominar, sujeitar a terra, nisto vemos que era legitimo o homem tirar da terra o seu mantimento conforme Deus o ordenará, mas com a queda do homem, toda essa estrutura foi modificada; a terra foi amaldiçoada, o homem passou a trabalhar duramente para se sustentar. O tempo passou e o que vimos hoje é mesma desobediência, o homem se recusa a cumprir a nobre missão que Deus entregou nas suas mãos, ou seja, cuidar da terra, mas ao contrario disto, de forma brutal e inconseqüente o homem vem explorando e destruindo a terra, motivado pela ganância e pelo lucro não tem consciência de que está arruinando seu futuro e das futuras gerações. Todas as conseqüências desta destruição é o nosso assunto de hoje.

I - MINHA CASA É O CÉU

Nos dias atuais vemos por uma parte, algumas pessoas preocupadas com a destruição da natureza, muitas organizações e governos estão trabalhando no sentido de diminuir o ritmo desta destruição, ainda mais nesses últimos dias, aonde vemos claramente que a destruição já mostra as suas conseqüências trágicas; terremotos, tsunamis, furacões, inundações, calor excessivo são indícios que a terra reage contra seus agressores.
Como cristãos não devemos estar desapercebidos desta questão, isto porque o cristão tem dupla responsabilidade, primeira como um servo de Deus consciente das ordenanças divinas devemos ser seus cooperadores; segundo devemos como povo de Deus ser o exemplo, agindo e expressando uma opinião consciente e sensata sobre este problema.

Embora este devesse ser o nosso procedimento, não fazemos assim, isto ocorre por algumas razões dentre elas a própria “cultura”de desinformação e desinteresse da igreja por esta questão.

No passado e ainda presente, muitos não admitem ou não dão a mínima importância a falar ou ensinar a respeito de tal assunto. Para isto muito tomam o conceitos errados e desprovidos da verdade bíblica, alguns alegam que por sermos o povo de Deus não devemos nos preocupar com esta terra, da qual somos apenas peregrinos passageiros sobre ela e que nossa verdadeira morada é o céu. Muitos por pensar assim, não dão a mínima importância, pois valorizam mais o “lado espiritual” do que estas questões materiais e humanas.

Mas vamos verificar o que a Bíblia nos fala a esse respeito, é claro que muitos termos que usamos hoje não estão descritos na Bíblia, nós temos de fazer a adaptação do texto bíblico a nossa linguagem:

Biodiversidade na Bíblia

E a terra produziu erva, erva dando semente conforme a sua espécie e árvore frutífera, cuja semente está nela conforme a sua espécie. E viu Deus que era bom.

E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus. (Gn 1.12,20) 

Deus encheu o céu, a terra e o mar com vida abundante, muitas espécies de animais e plantas, um verdadeiro eco sistema.

Todo este sistema foi entregue ao homem, portanto é um dever cuidar da criação de Deus.

II - O QUE ESTÁ ACONTECENDO

No tópico anterior vimos que, mesmo de maneira não direta, a Bíblia faz menção do cuidado de Deus com sua criação, e também o dever que o homem tem em preservar o meio ambiente.

Nestes últimos dias está havendo mais repercussão sobre o assunto, isto está acontecendo porque não são mais os números alarmantes acerca da destruição que chamam a atenção, mas sim os portes sinais que a natureza reagindo contra o homem demonstra a cada dia. Vejamos com mais detalhes esses sinais:

Poluição da Água

Vista do espaço, a Terra parece o Planeta Água, pois esta cobre 75% da superfície terrestre, formando os oceanos, rios, lagos etc. No entanto, somente uma pequenina parte dessa água da ordem de 113 trilhões de m 3 está à disposição da vida na Terra. Apesar de parecer um número muito grande, a Terra corre o risco de não mais dispor de água limpa. A contaminação da água pode se dar através da falta de saneamento básico, lixo, agrotóxicos e outros materiais. Com isso pode ocorrer doenças e mortes. Esse tipo de dano ambiental provoca graves doenças nas pessoas e animais, manifestando se com mais gravidade em pessoas com baixa resistência, como crianças e idosos, assim como a agonia de animais e do próprio rio, lago ou mar com o recebimento de resíduos orgânicos que por sua vez se multiplicam.

A proliferação desses microorganismos acaba por diminuir a quantidade de oxigênio na água levando a morte de peixes, plantas aquáticas, animais das margens e a morte de rios e lagos.
Muitas vezes com a contaminação dos peixes, as pessoas que consomem esses peixes acabam causando graves doenças nas pessoas e até mesmo a morte.

Algumas doenças transmitidas diretamente pela água poluída: cólera, tifo, hepatite, paratifóide, poliomielite entre outros. São transmitidas indiretamente: esquistossomose, fluorose, malária, febre amarela, dengue, tracoma, leptospirose, perturbações gastrintestinais, infecções nos olhos, ouvidos, garganta e nariz.

 Os tipos de fontes poluidoras da água são bem conhecido por todos, são eles: agrotóxicos (adubos e fertilizantes), inseticidas usado nas lavouras, esgoto doméstico (falta de saneamento básico), poluentes não degradáveis, os industriais que lançam nos rios vários resíduos de indústrias de produtos alimentícios, metalurgias, processamento de carvão, papel e celulose, vidro, couro, fábrica têxteis, usinas de açúcar, álcool, água aquecida no processo de refrigeração de refinarias, siderúrgicas, navios petroleiros, etc.

Assim como o de drenagem de minas que diluem na água elementos perigosos como metais pesados (mercúrio, chumbo, alumínio, zinco, etc). Essas contaminações podem causar graves danos ao solo e por vez ao lençol subterrâneo.

Contaminação do ar

A poluição do ar realmente passou a ser considerada um problema ligado à saúde pública a partir da Revolução Industrial, quando começaram a ser adotadas técnicas baseadas na queima de grandes quantidades de carvão, lenha e, posteriormente, óleo combustível. O uso intensivo dessas técnicas acarretou a perda gradativa da qualidade do ar nos grandes centros urbano industriais, com reflexos nítidos na saúde de seus habitantes. Portanto, a qualidade do ar deixou de ser um problema de bem estar e passou a representar efetivamente um risco à população.

Lixo em excesso

Lixo, ou resíduo, é qualquer material considerado inútil, supérfluo, e/ou sem valor, gerado pela atividade humana, e a qual precisa ser eliminada. É qualquer material cujo proprietário elimina, deseja eliminar, ou necessita eliminar. O conceito de lixo pode ser considerado uma concepção humana, porque em processos naturais não há lixo, apenas produtos inertes. Muito do lixo pode ser reutilizado, através da reciclagem, desde que adequadamente tratado, gerando fonte de renda e empregos, além de contribuir contra a poluição ambiental. Outros resíduos, por outro lado, não podem ser reutilizados de nenhuma forma. Assim lixo é todo resíduo sólido proveniente de atividades humanas ou mesmo de processos naturais (poeira, folhas e ramos mortos, cadáveres de animais). O lixo urbano é um dos maiores problemas ambientais da atualidade, pois os moldes de consumo adotados pela maioria das sociedades modernas provocam o aumento contínuo e exagerado na quantidade de lixo produzido.

 O lixo indevidamente administrado provoca mau cheiro, fornece a proliferação de animais nocivos e transmissores de doenças (ratos, formigas, moscas e mosquitos), polui, pelo chorume o solo e o lençol d´água subterrâneo e também o ar, uma vez que é prática comum a queima do lixo em ruas, lotes baldios e lixões. Chorume é um líquido malcheiroso e escuro produzido a partir da composição da matéria orgânica contida no lixo. É ácido e apresenta alto potencial contaminante, podendo poluir o solo e os lençóis de água subterrâneos, principalmente em locais de deposição não controlada de lixo, onde a grande quantidade desse líquido se infiltra facilmente no solo.

Animais em extinção

Com a redução das florestas e o tráfico de animais silvestres, muitas espécies de animais estão entrando em extinção. Governos de diversos países e sociedades protetoras de animais tem investido recursos para evitar tal violência contra os animais.

As últimas pesquisas apontam que milhares de espécies animais foram extintas nos últimos cem anos. Muitas destas espécies jamais serão conhecidas por gerações futuras. Sabemos que, muitas delas, poderiam revelar ao homem informações.

Efeito estufa

O efeito estufa (ou efeito de estufa, como se diz em Portugal) é um processo que faz com que a temperatura da Terra seja maior do que a que seria na ausência de atmosfera. O efeito estufa dentro de uma determinada faixa é de vital importância pois, sem ele, a vida como a conhecemos não poderia existir.

O que se pode tornar catastrófico é a ocorrência de um agravamento do efeito estufa que desestabilize o equilíbrio energético no planeta e origine um maior aquecimento global. O IPPC (Painel Intergovernamental para as Mudanças Climáticas, estabelecido pelas Nações Unidas e pela Organização Meteorológica Mundial em 1988) no seu relatório mais recente diz que a maioria do aquecimento observado durante os últimos 50 anos se deve muito provavelmente a um aumento do efeito de estufa.
A poluição dos últimos duzentos anos tornou mais espessa a camada de gases existentes na atmosfera. Essa camada impede a dispersão da energia luminosa proveniente do Sol, que aquece e ilumina a Terra, e também retém a radiação infravermelha (calor) emitida pela superfície do planeta. O efeito do espessamento da camada gasosa é semelhante ao de uma estufa de vidro para plantas, o que originou seu nome. Muitos desses gases são produzidos naturalmente, como resultado de erupções vulcânicas, da decomposição de matéria orgânica e da fumaça de grandes incêndios.

Sua existência é indispensável para a existência de vida no planeta, mas a densidade atual da camada gasosa é devida, em grande medida, à atividade humana. Em escala global, o efeito estufa provoca o aquecimento do clima, o que tem conseqüências catastróficas. O derretimento das calotas polares e de geleiras, por exemplo, eleva o nível das águas dos oceanos e dos lagos, submergindo ilhas e amplas áreas litorâneas densamente povoadas. O superaquecimento das regiões tropicais e subtropicais contribui para intensificar o processo de desertificação e de proliferação de insetos nocivos à saúde humana e animal. A destruição de habitats naturais provoca o desaparecimento de espécies vegetais e animais. Multiplicamse as secas, inundações e furacões, com sua seqüela de destruição e morte.

Buraco na camada de ozônio

A camada de ozônio é uma capa desse gás que envolve a Terra e a protege de vários tipos de radiação, sendo que a principal delas, a radiação ultravioleta, é a principal causadora de câncer de pele. No último século, devido ao desenvolvimento industrial, passaram a ser utilizados produtos que emitem clorofluorcarbono (CFC), um gás que ao atingir a camada de ozônio destrói as moléculas que a formam (O3), causando assim a destruição dessa camada da atmosfera. Sem essa camada, a incidência de raios ultravioletas nocivos à Terra fica sensivelmente maior, aumentando as chances de contração de câncer.

A região mais afetada pela destruição da camada de ozônio é a Antártida. Nessa região, principalmente no mês de setembro, quase a metade da concentração de ozônio é misteriosamente sugada da atmosfera. Esse fenômeno deixa à mercê dos raios ultravioletas uma área de 31 milhões de quilômetros quadrados, maior que toda a América do Sul.

A principal conseqüência da destruição da camada de ozônio será o grande aumento da incidência de câncer de pele, desde que os raios ultravioletas são mutagênicos. Além disso, existe a hipótese segundo a qual a destruição da camada de ozônio pode causar desequilíbrio no clima, resultando no "efeito estufa", o que causaria o descongelamento das geleiras polares e conseqüente inundação de muitos territórios que atualmente se encontram em condições de habitação.

Desmatamento

O desmatamento nas florestas brasileiras começou no instante da chegada dos portugueses ao nosso país, no ano de 1500. Interessados no lucro com a venda do paubrasil na Europa, os portugueses iniciaram a exploração da Mata Atlântica. As caravelas portuguesas partiam do litoral brasileiro carregadas de toras de paubrasil para serem vendidas no mercado europeu.

Enquanto a madeira era utilizada para a confecção de móveis e instrumentos musicais, a seiva avermelhada do paubrasil era usada para tingir tecidos.

Desde então, o desmatamento em nosso país foi uma constante. Depois da Mata Atlântica foi a vez da Floresta Amazônica sofrer as conseqüências da derrubada ilegal de árvores.

III - SENDO UM PROTETOR DA NATUREZA

Na primeira parte do nosso comentário vimos que ate mesmo os cristãos possuem uma concepção errada acerca da preservação ambiental, isto ocorre em parte pela falta de conhecimento da Palavra de Deus, é verdade que os textos não são claros, mas devemos fazer a correta interpretação.

Mas vejamos na Palavra algumas passagens que nos mostram a preocupação de Deus na preservação do meio ambiente, fica claro que a primeira questão é a própria sobrevivência do homem, pois se não houver um equilíbrio todo o sistema ecológico estará comprometido, tal como vimos hoje.

Leia Salmos 104

Este Salmo descreve toda beleza e gloria da natureza que Deus criou, também vimos o quanto Deus se importa com o mundo que criou. No livro de Apocalipse 11.18 Deus avisa sobre a destruição daqueles que destruírem a terra Leia Deuteronômio 20:1920 aqui vemos um fato importante; uma ordenança de Deus, para que as arvores fossem preservadas.

Que leis são dadas aqui sobre o uso das árvores durante a guerra?

Na guerra, as regras da vida mudam, o meio ambiente também sofre, naquela época as árvores eram derrubadas para serem usadas no ataque às cidades inimigas. Deus não podia impedir, pois as guerras, às vezes, tornam se inevitáveis.

Ao invés disso, Ele tentou limitar o estrago causado pela guerra. Assim as árvores frutíferas não deviam ser derrubadas. Por quê? Porque, não era do interesse futuro deles. Se não houver árvores frutíferas, não haverá frutas e haverá menos alimento e mais pessoas famintas. O ensinamento aqui é claro: Não temos nenhum direito de destruir as árvores e as florestas sem uma necessidade real. Sob o pretexto de desenvolvimento, muitos querem o lucro sem importar a devastação que provoca.

Assim vemos a nossa responsabilidade de cuidar do meio ambiente
Leia Gênesis 3:1419
Deus criou todas as coisas, e havia uma harmonia perfeita entre toda a criação e Deus. Mas ao lermos Gênesis 3:1419, a queda trouxe o pecado e a separação de Deus para a humanidade e para a criação – quebrando, assim, a harmonia perfeita que existia.

No entanto, por toda parte nas escrituras, vemos que Deus trabalha através do seu povo – sacerdotes, profetas e reis – para trazer a criação de volta ao que ela deve ser. Ele continua chamando o seu povo a servir a criação de maneira responsável. No Velho Testamento, Deus deu nos leis que nos permitem viver em harmonia uns com os outros e com o meio ambiente. Leia também Levítico 25:27 e Êxodo 23:10

Nesta passagens vimos o cuidado de Deus em orientar o homem de como deveria proceder, afim de que o meio ambiente fosse preservado, quando se fala em descanso, podemos entender perfeitamente que era necessário um período para que a terra se refizesse novamente.

Nos dias atuais vemos o uso de adubos e outros componentes químicos, porque? É justamente para fortalecer a terra, repor os nutrientes afim de que a terra produza, muitas terras estão completamente improdutivas e com erosões porque não tem um período de recompor se.

Portanto temos responsabilidade na preservação, não devemos supor que os agentes responsáveis são apenas os industriais, os empresários, mas temos a nossa responsabilidade, pois produzimos diariamente o lixo, lançamos na natureza diversos tipos de matérias.

Ao colaborarmos com os programas educativos do governo; como reciclagem; já estamos fazendo a nossa parte. (Outras iniciativas estão contidas na revista).

Conclusão

Aguardamos sim, uma nova moradia nos céus, mas como não sabemos o tempo da volta de nosso Senhor, devemos cuidar para que a nossa peregrinação nesta terra seja saudável, se não cuidamos do meio ambiente corremos o risco de destinar ao nossos filhos a um mundo totalmente imprópria a vida.

Lembramos que após a vinda de Cristo e a implantação de seu Reino, a Terra será restaurada pelo Senhor, se isto faz parte dos planos futuro de Deus como não fará dos nossos?

Quem não adorna, limpa, protege, guarda e cuida de sua própria casa? Certamente que todos cuidam da sua habitação, assim também devemos cuidar de nossa grande casa, o planeta Terra.

 Colaboração para EBDnet -  Jair César

Um comentário:

  1. Olá
    vim te fazer um convite
    você já conhece o blog
    http://princesasdoreino.blogspot.com/ ?
    faça uma visita e se gostar siga
    e eu te seguirei de volta
    super beijo ♥
    Daiane

    ResponderExcluir

Que bom ver você por aqui agradeço pela visita, e volte sempre estou a sua disposição para aprendermos juntos. Fique a vontade para comentar. Um grande abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...